NOTÍCIAS

22 de outubro de 2014 - Campos - RJ arte e cultura ciência esportes economia o mundo campos

Telescópios ajudam a desvendar comportamento de estrelas recém-nascidas

inserido em 4/07/2012 às 12:31:00

Reprodução gráfica da ESA do que seria o núcleo e o disco de poeira e gás O trabalho conjunto de telescópios das mais importantes agências espaciais internacionais revelou características do corportamento considerado agressivo de estrelas recém-nascidas, que giram em alta velocidade e expelem plasma em alta temperatura, o que pode ajudar na compreensão de um dos mais fundamentais assuntos da astronomia - o nascimento de estrelas como o Sol. As imagens foram registradas pelos telescópios Chandra, da Agência Espacial Americana (Nasa), XMM-Newton, da Agência Espacial Europeia (ESA), e Suzaku, do Japão. Todos operam com tecnologia de identificação de raios x, o que permite monitorar variações nas intensidades desse tipo de emissões, mesmo que estejam enconbertas por nuvens de gás ou poeira cósmica, como ocorre no caso de estrelas jovens. Estrelas recém-nascidas se formam com resíduos de poeira e gases, que se agrupam em torno do centro gravitacional formando um disco residual, criando assim uma protoestrela. Os componentes desse disco viajam em direção ao núcleo, no processo de expasão comum, mas uma pequena fração desses resíduos acaba sendo expelido em forma de jatos nas extremidades dos astros. Esses jatos são bastante variáveis e apontam a atividade energética nas regiões internas de cada estrela. As equipes monitoraram a jovem estrela V1647 Ori, que está na nebulosa de McNeil, situada a cerca de 1,3 mil anos-luz da Terra. A observação dos telescópios teve duas etapas - uma que durou de 2003 a 2006 e outra que começou em 2008 e dura até agora. Nesses períodos, a estrela apresentou aumento de massa, temperatura e do nível de emissões de raios x. "Acreditamos que a atividade magnétida na superfície estelar e em volta dela cria um plasma muito quente", diz Kenji Hamaguchi, autor do estudo que detalha as descobertas, publicado no Astrophysical Journal. Esse comportamento se sustenta com a constante torção, quebra e reconexão dos campos magnéticos, que conectam o núcleo com o disco", explica. Os astrônomos também identificaram uma variação singular de emissões, que se repetia regularmente, mas pelo período de apenas um dia. Para uma estrela do tamanho da V1647 Ori, isso significa que ela está girando o mais rápido que pode sem se despedaçar. "Acreditamos que o plasma se localiza na superfície da estrela. O aumento e a diminuição do fluxo que identificamos é provavelmente o ponto brilhante que aparece e desaparece nas imagens que capturamos", completa o astrônomo japonês. Ainda assim, as emissões analisadas desde 2004 sugerem que, apesar do comportamento caótico, a configuração de larga escala da estrela se mantém estável em relação à escala temporal. "As observações da V1647 Ori por esses três telescópios dão novas informações sobre o que pode estar acontecendo dentro dos discos nebulosos dessas estrelas em formação", disse Norbert Schartel, da ESA.

estadão.com.br

Veja esta notícia na página original

GERAL

Alerta vermelho: MPF faz campanha em ...

. . . . . ...

Leilão do Pátio Norte acontece na qui...

ESPORTES

Joinville vence e não deixa a Ponte P...

ARTE E CULTURA

Idosos se reencontram em asilo do RS ...

CIÊNCIA

É possível comprovar a aceleração do ...

Serviço de comunicação multimídia prestado pela empresa IMA TELECOM LTDA, nos termos da Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997,
Lei Geral de Telecomunicações - LGT, pelo TERMO DE AUTORIZAÇÃO, Ato n.º 2.660/2010.

Rua Salvador Corrêa 139 - Centro - Campos dos Goytacazes - RJ Tel.: (22) 2726-2736 - Suporte Técnico (22) 2726-2726 - Administrativo