NOTÍCIAS

24 de outubro de 2014 - Campos - RJ arte e cultura ciência esportes economia o mundo campos

Presidente sírio aparece em público após um mês

inserido em 20/08/2012 às 03:05:00

Os sírios foram pegos de surpresa ontem com a primeira aparição em público do presidente Bashar Assad desde o atentado que matou parte da cúpula das forças de segurança de Damasco, há cerca um mês. A TV estatal mostrou Assad participando da cerimônia de encerramento do Ramadã, o Eid al-Fitr, na mesquita de al-Hamad, na capital. Ao redor da Síria, o fim do mês mais importante do Islã foi marcado por festas e manifestações contra o regime Assad. Grupos de oposição afirmaram que forças de Damasco continuam a bombardear partes da Alepo e da região de Rastan. Confrontos também foram registrados na Província de Deraa, perto da fronteira com a Jordânia. No sábado, cresceram os rumores entre rebeldes de que o vice-presidente da Síria, Farouq al-Shara, teria se juntado à oposição. Damasco rapidamente desmentiu a história e, em seguida, políticos anti-Assad mudaram de versão, dizendo que Shara - sunita com o maior cargo no regime - estaria em prisão domiciliar, na capital. As imagens da TV síria mostravam Assad ao lado de autoridades do regime, enquanto rezava e cumprimentava clérigos. A imprensa estatal costuma mostrar todo ano a visita do presidente a alguma mesquita de Damasco para celebrar o Eid al-Fitr. Desta vez, porém, Assad não foi filmado entrando no local, mas apenas dentro do templo. A última aparição pública do ditador havia sido em 4 de junho, quando ele discursou no Parlamento sírio. Com a misteriosa explosão no principal complexo das forças de segurança, atentado em que morreram quatro comandantes militares - incluindo o ministro da Defesa e um cunhado do presidente -, há cerca de um mês, Assad não foi mais visto em público. Diplomacia. Enquanto os confrontos seguiam na Síria, o novo enviado das Nações Unidas e da Liga Árabe, o argelino Lakhdar Brahimi, começava a indicar o caminho que pretende seguir nos esforços de mediação. Brahimi, que assume o cargo após a renúncia do ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, afirmou ontem que ainda não é hora de exigir a renúncia incondicional de Assad, como exige a oposição. Tanto autoridades sírias quanto potências estrangeiras saudaram a nomeação do diplomata argelino. Ele deve dar início às negociações nos próximos dias, apesar da saída dos observadores. A ONU estima que 17 mil pessoas morreram em 18 meses de violência na Síria. Grupos de oposição falam em 20 mil mortos. / AP

DAMASCO - O Estado de S.Paulo

Veja esta notícia na página original

GERAL

Pezão percorre ruas de Campos em carr...

< . Pezão faz carreata pelas rua...

Pezão faz carreata pelas ruas de Campos

ESPORTES

Joinville vence clássico estadual e a...

ARTE E CULTURA

Fito Páez purga dores de amor em novo...

CIÊNCIA

Sistema elétrico pode migrar para cor...

Serviço de comunicação multimídia prestado pela empresa IMA TELECOM LTDA, nos termos da Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997,
Lei Geral de Telecomunicações - LGT, pelo TERMO DE AUTORIZAÇÃO, Ato n.º 2.660/2010.

Rua Salvador Corrêa 139 - Centro - Campos dos Goytacazes - RJ Tel.: (22) 2726-2736 - Suporte Técnico (22) 2726-2726 - Administrativo